Fábrica Lumière

Este blog nasceu num café-bar chamado "Vertigo", em Lisboa. Pensámos logo que esse nome era um sinal... Só podia. Adoramos "fazer filmes", essa é que é a verdade! Mas inspiramo-nos sempre nos originais. Se a amizade morresse, sobraria inevitavelmente a paixão pela sétima arte que nos une.

maio 19, 2005

Haverá vida depois das Sagas...?



E de repente, eis que tudo acaba hoje. Chega hoje ao fim a razão de vida de muito cinéfilo fanático.
Quase sem nos apercebermos muito bem, a nossa geração teve o privilégio de presenciar um fenómeno único da história do cinema: As Sagas.

George Lucas já tinha dado o mote, em 1979, com o primeiro filme de Star Wars. Na altura, passou despercebida a curiosidade de se chamar Episode IV, bem como o facto de se tratar do primeiro tomo de uma seríe de três, até porque não fazíamos qualquer ideia de quando tornaríamos a ver as respectivas sequelas.

A verdadeira revolução viria em 1999. Os irmãos Wachowski introduziam-nos o conceito de trilogia com a Saga Matrix. E se por um lado foi um marco na história dos efeitos especiais (ficou célebre a expressão técnica "Bullet Time" a partir daí adoptada), por outro lado ficámos de imediato a saber que nos anos seguintes poderíamos contar os dias à espera dos segundo e terceiro episódios.
Ainda no mesmo ano, Lucas regressava à saga da família Skywalker, com a estreia do verdadeiro Episódio 1, e consequente promessa de nos anos seguintes podermos assistir aos episódios 2 e 3.

Ainda The Matrix ia a meio quando nos chega a definitiva Saga épica: um Neo-zelandês obscuro adoptava a obra-prima de Tolkien para cinema. The Lord of the Rings: The Fellowship of the Ring era o primeiro de três filmes rodados quase em simultâneo, mas com datas de estreia previstas para os três anos seguintes (hilariante foi a quantidade de gente que saiu desiludida do primeiro filme, convencidos que iam ver uma história única).

E assim foi, que, ao longo destes últimos anos, a nossa existência na terra era atenuada com a promessa de que no ano seguinte podíamos contar com o Matrix Reloaded, ou com o Return of the King, ou finalmente...com o dia de hoje, simultâneamente efusivo e triste: a transformação de Anakin em Darth Vader e o final da mãe de todas as Sagas.

Que nos resta a partir de agora?


Batman Begins

Blockbusters isolados? Sequelas? Nada será como dantes, embora se perspectivem no horizonte próximo algumas produções bastantes atractivas. Podemos sempre contar com os super-heróis, quer da Marvel quer da DC, que movimentam tantos ou mais fans como as trilogias acima citadas.


Ghost Rider

Ainda este ano, o regresso às origens do Homem-Morcego está a deixar muita gente a salivar pela data de estreia. Do lado da Marvel iremos ver Fantastic Four, que pelo trailer nada fica a dever ao sucesso ja alcançado com os X-Men. Estes regressam em 2006, com a promessa do episódio mais fantástico de sempre: só pra conhecedores, a famosa Saga da Fenix Negra. Também em 2006 regressa o Homem de Aço, Nicholas Cage veste a pele de Ghost Rider e a dupla Alan Moore/Dave Gibbons verá adaptada a cinema o seu clássico dos quadradinhos The Watchmen.


Fantastic Four

Por isso, o panorama é deveras animador. A memorizar: Batman Begins (2005); Fantastic Four (2005); Superman Returns (2006); Ghost Rider (2006); The Watchmen (2006); X-Men 3 (2006); The Punisher 2 (2006); Iron Man (2006); Spider-Man 3 (2007) e sem data prevista, mas já em pré-produção, The League of Extraordinary Gentlemen 2; Hulk 2 e Daredevil 2.


Superman Returns

3 Comments:

At 6:30 da tarde, Blogger Roxanne said...

Definitivamente eu gosto de sagas. Assumo! Mas não volta a haver outra como Star Wars. Do que o futuro nos reserva só "Fantastic Four" me entusiasma.

 
At 7:42 da tarde, Blogger AS said...

Ó gajo, mete lá essa letra maior!

 
At 11:34 da manhã, Blogger bolaxamaria said...

Saga que é saga é saga da boa.
E não há como a saga Star Wars, concordo Roxanne!!

 

Enviar um comentário

<< Home